FANDOM


Para orientação sobre as citações dos livros de GRRM, ver Convenções desta wiki

Gared é um dos três patrulheiros que, liderados por Sor Waymar Royce, vasculham a Floresta Assombrada em busca de um bando de selvagens que anda aterrorizando a região ao norte da Muralha[1]

AparênciaEditar

Com mais de 50 anos, Gared traz no seu corpo as marcas resultantes dessa longa carreira de serviços prestados. Devido à ação do frio, perdeu "duas orelhas", cortadas por Meistre Aemon, "três dedos dos pés e o mindinho da mão esquerda."[2]

BiografiaEditar

Gared é um patrulheiro veterano, que serve na Patrulha da Noite há mais de quarenta anos e que nela foi admitido ainda garoto[3]. Na última patrulha da qual participou, tentou alertar seu comandante, Sor Royce, da sensação de perigo iminente que percebia no ambiente que os cercava. Ignorado por Waymar, que o julgava mais uma vitima das inúmeras superstições e lendas contadas nos quartos dos palácios por velhas amas. Tendo ficado para trás, cuidando das montarias, enquanto Sor Waymar e Will seguiam para o local onde esperavam encontrar os corpos dos selvagens que perseguiam já há nove dias[4], acabou se tornando o único sobrevivente do massacre que se seguiu.

FraseEditar

“Vi homens congelar no inverno passado e no outro antes desse, quando eu era pequeno. Toda a gente fala de neve com doze metros de profundidade, e do modo como o vento de gelo chega do norte uivando, mas o verdadeiro inimigo é o frio. Aproxima-se em silêncio, mais furtivo do que Will. A princípio estremecem-se e os dentes batem, e bate-se com os pés no chão e sonha-se com vinho aquecido e boas e quentes fogueiras. Ele queima, ah, como queima. Nada queima como o frio. Mas só durante algum tempo. Então penetra no corpo e começa a enchê-lo, e passado algum tempo já não se tem força suficiente para combatê-lo. É mais fácil limitarmo-nos a nos sentar ou a adormecer. Dizem que não se sente dor alguma perto do fim. Primeiro fica-se fraco e sonolento, e tudo começa a se desvanecer, e depois é como afundar num mar de leite morno. Como que pacífico.”[5]

Os últimos momentosEditar

São narrados no primeiro capítulo, Bran I, de A Guerra dos Tronos.


Referências


  1. Ver Prólogo de A Guerra dos Tronos.
  2. I-BR: Prólogo; p. 9.
  3. I-Br: Prólogo; p. 7.
  4. I-Br: Prólogo; p. 7, 10.
  5. I-Br:Prólogo; p. 9.